domingo, 7 de maio de 2017

EXTREMOZ RN: A LENDA DAS COBRAS DA LAGOA






Desde muito criança ouvia  histórias fantásticas ligadas as nossas lendas e mitos populares. Histórias de papa-figos, que saiam para comer o fígado das criancinhas, de almas penadas querendo rezas, de urros de onça pintadas prontas para atacar, de cobras gigantes, pescarias assombrosas... Morria de medo das histórias mas a minha curiosidade era maior e ficava ouvindo até o fim. Uma delas, porém, me aterrorizava: a história das duas cobras gigantes que saiam da Lagoa de Extremoz em busca da Igreja para serem batizadas, Essa história me assustou tanto que passei a ter pavor dessa lagoa, dela só não, qualquer lagoa pra mim era apavorante - temia me deparar com cobras se entrasse nelas.
Até hoje, quando passo pela bela Lagoa de Estremoz lembro da cobra gigante, que segundo a lenda, continua lá, inofensiva. É estranho porque, mesmo tendo consciência de que tudo não passa de lenda do imaginário fértil do nosso povo, nunca teria coragem de mergulhar naquela lagoa!



LAGOA DE ESTREMOZ - NATAL / RN


A lagoa de Estremoz* - lagoa de água doce - localizada no município do mesmo nome, no estado do Rio Grande do Norte, ocupa uma área de 4.2 quilômetros quadrados, é responsável hoje, por 70% do abastecimento de água da região Norte da cidade de Natal.
A lagoa, que já se chamou lagoa Tijiru, teve um papel muito importante no processo de colonização do estado. Em torno dela, no local chamado Guagiru, habitavam os  índios tupis e tapuias. Em 1607, os jesuítas da Companhia de Jesus chegam à  localidade e recebem do Capitão-Mor Jerônimo de Albuquerque, cessão de terras para o trabalho de catequese com os índios, estabelecendo a missão de São Miguel do Guajiru.
Com a saída dos jesuítas, por volta de 1760 a aldeia passou a se chamar Vila Nova de Estremoz - a primeira Vila do Rio Grande do Norte.





Da época das missões, os nativos de Estremoz guardam muitas histórias e lendas. Entre outras importantes, como a Lenda do Tesouro, segundo a qual os próprios moradores destruíram a  antiga Igreja de São Miguel do Guagiru em busca de um tesouro enterrado, a lenda das Cobras da Lagoa  se constitui a mais viva tradição local, e continua, portanto, fazendo parte do imaginário coletivo do povo dessa cidade.


AS COBRAS DA LAGOA DE ESTREMOZ



"No tempo dos frades, a lagoa era povoada por duas cobras enormes. Uma, muito feroz e atrevida, devorava os banhistas e quem atravessasse a lagoa devia pedir proteção a São Miguel para não ser agarrado pela cobra. As crianças eram as vítimas preferidas pela cobra maligna. A outra cobra era mansa. Limitava-se a assobiar tristemente nas tardes em que seu companheiro nadava perseguindo os incautos.
Reza a lenda que essas cobras eram duas crianças pagãs que os  índios jogaram dentro da lagoa, a conselho dos "pajés"para que os padres não as batizassem. Viraram cobras e estavam cumprindo cumprindo penitência...






Num domingo, depois da missa, um padre missionário, veio até a margem da lagoa e, em nome de Deus, intimou as cobras a comparecer na igreja, naquela tarde, às horas da benção do Santíssimo Sacramento.
A cobra fêmea, tardinha, saiu da lagoa, arrastou-se, repelente e viscosa, para a vila, espavorindo quem a avistava. Atravessou a praça e enrolou todo o edifício da igreja com seu imenso corpo reluzente, juntando a cabeça e a cauda na soleira da porta principal.Do altar-mor, paramentado, o vigário admoestou-a à santa obediência e, erguendo a mão, abençoou-a. A cobra desenroscou-se, voltou, coleante e terrível, para as águas da lagoa.Nunca mais saiu nem fez mal. Vez por outra vêem seu dorso negro, sobrenadando.







O companheiro, desobediente, não veio à igreja. O padre amaldiçoou-o da porta do templo, em voz alta e em latim.
A cobra excomungada nadou para o outro lado da lagoa, esgueirou-se  pelo mato e bufando como uma locomotiva, derrubando arbustos com o açoite furioso da cauda poderosa. No sítio Jardim, justamente no lugar "Embaíba". estirou-se e morreu. Nessa local, nunca mais nasceu capim e a estreita faixa de areia no meio da vegetação reproduz fielmente o contorno da serpente fantástica".
   (Câmara Cascudo - As cobras da lagoa de Estremoz - RN)



FONTES:
  • Luís da Câmara Cascudo - Geografia dos Mitos Brasileiros - Mitos secundários e locais -  Global Editora - São Paulo - 2002.
  • Pesquisas Google - Sites:
  1. www.rnhistoria.blogspot.com - HIstória do Rio Grande do Norte: Um pouco sobre Extremoz
  2. www.extremoz.rn.gov.br - Site oficial da Prefeitura de Estremoz - RN
  3. www.chaopotiguar.blogspot.com - Chão Potyguar - Estremoz

FOTOS:


  • Imagens Google
  • Edição de Fotos - Sites:
  1. Pic Monkey
  2. Screpee Net

FONTE- BLOG VENTOS DO NORDESTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores