TRILHA NO MUSEU EM CEARÁ-MIRIM

TRILHA NO MUSEU EM CEARÁ-MIRIM

quinta-feira, 30 de maio de 2013

OS 10 PAISES MAIS RICOS DO MUNDO

CONHEÇA DOS 10 PAÍSES MAIS RICOS DO MUNDO





1 Estados Unidos15 094 025
2 China7 298 147
3 Japão4 992 908
4 Alemanha3 577 031
5 França2 776 324
6 Brasil2 569 471
7 Reino Unido2 417 570
8 Itália2 198 730
9 Rússia1 850 401
10 Canadá1 736 869









FONTE - WIKIPÉDIA.ORG
















VILA DE SINTRA - PORTUGAL

Ficheiro:Nt-sintra1.jpg
VILA DE SINTRA - PORTUGAL
FOTO-WIKIPEDIA.ORG

Sintra é uma vila portuguesa no Distrito de Lisboa, na região de Lisboa, sub-região da Grande Lisboa e na Área Metropolitana de Lisboa.  É sede de um município com 317 km² de área e 377 835 habitantes (2011), subdividido em 20 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Mafra, a leste por Loures e Odivelas, a sueste pela Amadora, a sul por Oeiras e Cascais e a oeste pelo oceano Atlântico.  A Vila de Sintra inclui o sítio Paisagem Cultural de Sintra, Património Mundial da UNESCO e tem recusado ser elevada a categoria de cidade, apesar de ser sede do segundo mais populoso município em Portugal, segundo a Câmara Municipal de Sintra.

Ficheiro:Pal nac sintra 2.jpg 
VISTA DA VILA APARTIR DO CASTELO DE SINTRA
FOTO - WIKIPEDIA.ORG

 Podemos encontrar em Sintra testemunhos de praticamente todas as épocas da história portuguesa e, não raro, com uma dimensão que chegou a ultrapassar, pela sua importância, os limites deste território.
Ficheiro:SNT.png 
BRASÃO DA VILA DE SINTRA
FOTO-WIKIPEDIA.ORG 
Ficheiro:Pt-snt1.png
 BANDEIRA DA VILA DE SINTRA
FOTO-WIKIPEDIA.ORG 
 Na candidatura de Sintra a Património Mundial/Paisagem Cultural junto da UNESCO, tratou-se de classificar toda uma área que se assumiu como um contexto cultural e ambiental de características específicas: uma unidade cultural que tem permanecido intacta numa plêiade de palácios e parques; de casas senhoriais e respectivos hortos e bosques; de palacetes e chalets inseridos no meio de uma exuberante vegetação; de extensos troços amuralhados que coroam os mais altos cumes da Serra. Também de uma plêiade de conventos de meditação entre penhascos, bosques e fontes: de igrejas, capelas e ermidas, pólos seculares de fé e de arte; enfim, uma unidade cultural intacta numa plêiade de vestígios arqueológicos que apontam para ocupações várias vezes milenárias.
Ficheiro:Queluz Palace fountains.JPG
PALÁCIO REAL DE QUELUZ NA VILA DE SINTRA.
FOTO - WIKIPEDIA.ORG

DADOS DA VILA DE SINTRA


Gentílico Sintrense
Área 316,06 km²
População 377 835 hab. (2011)
Densidade populacional 1 195,45 hab./km²
N.º de freguesias 20
Presidente da Câmara Municipal Fernando Seara
Fundação do município
(ou foral)
1154
Região (NUTS II) Lisboa
Sub-região (NUTS III) Grande Lisboa
Distrito Lisboa
Antiga província Estremadura
Orago Santa Maria e São Miguel
Feriado municipal 29 de Junho
Endereço dos
Paços do Concelho
Largo Dr. Vergílio Horta
2714-501 Sintra
Sítio oficial www.cm-sintra.pt
Endereço de
correio electrónico
geral@cm-sintra.pt




Ficheiro:Pena-medio-cut.JPG 
PALÁCIO  NACIONAL DA PENA NA VILA DE SINTRA
FOTO-WIKIPEDIA.ORG 

Administração municipal

O município de Sintra é administrado por uma câmara municipal composta por 11 vereadores. Existe uma assembleia municipal, que é o órgão legislativo do município, constituída por 53 membros da assembleia municipal (dos quais 33 eleitos diretamente).
O cargo de Presidente da Câmara Municipal é actualmente ocupado por Fernando Seara, reeleito nas eleições autárquicas de 2009 pela coligação Mais Sintra (composta pelo Partido Social Democrata, CDS - Partido Popular, Partido Popular Monárquico e MPT - Partido da Terra), tendo maioria absoluta de vereadores na câmara (6). Existem ainda quatro vereadores eleitos pelo PS e um pela CDU. Na Assembleia Municipal o partido mais representado é novamente a coligação Mais Sintra (PSD/CDS-PP/PPM/MPT) com 15 deputados eleitos e 13 presidentes de Juntas de Freguesia (maioria absoluta), seguindo-se o PS (12; 7), a CDU (4; 0) e o Bloco de Esquerda (2; 0). O Presidente da Assembleia Municipal é Ângelo Correia da coligação Mais Sintra (PSD/CDS-PP/PPM/MPT).




 PALÁCIOS DA VILA DE SINTRA EM PORTUGAL

Ficheiro:Pena Palace minaret.JPG
PALÁCIO DA PENA NA VILA DE SINTRA
 FOTO-WIKIPEDIA.ORG
Ficheiro:Palacio-Monserrate3 SET-07.jpg
 PALÁCIO DE MONSERRATE NA VILA DE SINTRA
 FOTO-WIKIPEDIA.ORG

Ficheiro:Palacio Sintra chamines.JPG
PALÁCIO DE SINTRA
 FOTO-WIKIPEDIA.ORG
Ficheiro:Sintra znimok 4.jpg 
PALÁCIO DA REGALEIRA NA VILA DE SINTRA
 FOTO-WIKIPEDIA.ORG
 TEXTO E PESQUISA - WIKIPEDIA.ORG


Ficheiro:Seascape after sunset denoised.jpg
Vista marítima de um pôr do sol no norte do Cabo da Roca.
FOTO - WIKIPÉDIA.ORG 

____BARÃO DE CEARÁ-MIRIM - RN, BRASIL 211ANOS__

FATOS HISTÓRICOS QUE MARCARAM O DIA 30 DE MAIO

30 de maio (AO 1945: 30 de Maio) é o 150.º dia do ano no calendário gregoriano (151.º em anos bissextos). Faltam 215 para acabar o ano.

EVENTOS HISTÓRICOS

 FERIADOS, PROFISSÃO DO DIA E SANTO DO DIA

 FONTE - WIKIPEDIA.ORG

quarta-feira, 29 de maio de 2013

ORIGEM DA FAMÍLIA GARCIA


O sobrenome ibérico Garcia é de origem patronímica, vindo do nome próprio pré-romano Garcia, dessa forma não existe apenas uma família Garcia, mas várias e originárias de diversas regiões na Península Ibérica e com diferentes brasões. O nome Garcia não tem origem e significado certo, havendo uma série de palavras godas, germânicas e bascas da qual dizem vir o nome Garcia, dentre estas está a palavra Garsea ou Garzea que significa “garça”, ao qual muitas famílias acreditavam ser o sentido real do nome Garcia, prova disso é a figura da garça em vários brasões das famílias Garcia.
O rei de Pamplona García I Íñiguez teria fundado uma das famílias Garcia, este rei é famoso pela luta conta os mouros e por favorecer a passagem dos peregrinos a Santiago de Compostela, cidade onde estão as relíquias de Santiago, um dos santos mais venerados na Península Ibérica durante a Idade Média.
Acima o brasão que geralmente e associado à família Garcia de Portugal, em prata com três leões vermelhos lampassados de azul, esse brasão pertence à família Garcia de Gondim, provavelmente originária da freguesia de Gondim em Portugal, ao lado um dos mais comuns dos brasões das famílias Garcia de Espanha.

FONTE - http://brasaodefamilia.blogspot.com.br

ORIGEM DAS FAMÍLIAS DIAS E DIAZ





O sobrenome português Dias e sua variação espanhola Diaz é patronímico de Diego ou Diogo, ou seja, os filhos de Diego ou Diogo levavam o apelido Dias, dessa forma não existe apenas uma família Dias, mas várias sem laço de sangue, quanto ao nome Diogo, ele surgiu da abreviação do nome Santiago, gerando Diago, este era um santo muito famoso na Península Ibérica considerado o protetor dos exércitos dos reinos espanhóis e do reino português, Santiago vem da junção de duas palavras Santo e Iago que com a pronúncia corrente se tornou Santiago. Iago vem do hebraico Jacob que significa suplantador, porém não foi apenas o nome Santiago que influenciou na criação de Diogo, acredita-se houve influência conjunta da palavra grega didakos, latinizada no nome Didacus, que significa instruído ou conselheiro.
Segundo a Bíblia, Santiago foi um dos doze apóstolos de Cristo e o primeiro a morrer, ele foi decapitado por ordem do rei judeu Herodes Agripa I, mas a tradição diz que o santo teria visitado a Hispânia antes de sua morte, tentando evangelizar os pagãos, não obtendo sucesso ele voltou para Judéia onde foi martirizado, porém suas relíquias foram levadas para Compostela na Espanha, mais tarde, durante a reconquista da Península Ibérica pelos cristãos, Santiago teria aparecido milagrosamente defendendo os exércitos de Cristo contra os mouros, a partir daí ele passou a ser conhecido por Santiago Mata-mouros, e sua fama se espalhou pela Espanha e Portugal.

FONTE - http://brasaodefamilia.blogspot.com.br

ORIGEM DAS FAMÍLIAS RIBEIRO E RIBEIRA



 

O sobrenome Ribeira e o sobrenome Ribeiro, surgidos na península ibérica, têm a origem na mesma palavra latina, ripariu, sendo ribeiro, o nome dado a um rio pequeno, e ribeira, nome dado à terra banhada por um rio, daí deve ter surgido os sobrenomes Ribeira e Ribeiro, adotado por pessoas que habitavam terras que já tinham o nome Ribeiro ou Ribeira, devido à existência de um rio na região.

FONTE - http://brasaodefamilia.blogspot.com.br

A ORIGEM DO FERIADO DE CORPUS CHRISTI


A origem da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo remonta ao século XIII. A Igreja Católica sentiu necessidade de realçar a presença real do "Cristo todo" no pão consagrado. A Festa de Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV com a bula Transiturus de hoc mundo de 11 de agosto de 1264, para ser celebrada na quinta-feira após a Festa da Santíssima Trindade, que acontece no domingo depois de Pentecostes.
O papa Urbano IV, na época o cônego Tiago Pantaleão de Troyes, arcediago do Cabido Diocesano de Liège, na Bélgica, recebeu o segredo das visões da freira agostiniana Juliana de Mont Cornillon, que teve visões de Cristo demonstrando desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque.
Por solicitação do papa Urbano IV, que, na época, governava a Igreja, os objetos milagrosos foram para Orviedo em grande procissão, sendo recebidos solenemente por sua santidade e levados para a Catedral de Santa Prisca. Esta foi a primeira procissão do Corporal Eucarístico. A 11 de agosto de 1264, o papa lançou de Orviedo para o mundo católico através da bula Transiturus de hoc mundo o preceito de uma festa com extraordinária solenidade em honra do Corpo do Senhor.
A festa de Corpus Christi foi decretada em 1269.
O decreto de Urbano IV teve pouca repercussão, porque o papa morreu em seguida. Mas se propagou por algumas igrejas, como na diocese de Colônia, na Alemanha, onde Corpus Christi é celebrada desde antes de 1270. A procissão surgiu em Colônia e difundiu-se primeiro na Alemanha, depois na França e na Itália. Em Roma, é encontrada desde 1350.
A Eucaristia é um dos sete sacramentos e foi instituído na Última Ceia, quando Jesus disse: "Este é o meu corpo... isto é o meu sangue... fazei isto em memória de mim". Segundo Santo Agostinho, é um memorial de imenso benefício para os fiéis, deixado nas formas visíveis do pão e do vinho. Porque a Eucaristia foi celebrada pela primeira vez na Quinta-Feira Santa, Corpus Christi se celebra sempre numa quinta-feira após o vinho sangue de Jesus Cristo, em toda Santa Missa, mesmo que esta transformação da matéria não seja visível.
Corpus Christi é celebrado 60 dias após a Páscoa, podendo cair, assim, entre as datas de 21 de maio e 24 de junho.

FONTE-  WIKIPEDIA.ORG

ORIGEM DA FAMÍLIA BARBOSA



A origem do sobrenome Barbosa, vem de uma quinta portuguesa de mesmo nome. A Quinta de Barbosa foi criada por D.Sancho Nunes nas terras de sua mulher, ele logo seria chamado de D.Sancho Nunes Barbosa, a Quinta dos Barbosa seria dada a sua filha em dote herdado pela esposa de D.Sancho Nunes Barbosa, por isso seu filho D.Pedro Nunes de Barbosa criou uma nova Quinta de Barbosa, desta nova quinta surgiria entre os séculos XIII e XIV o sobrenome Barbosa, adotado pelas pessoas originarias das terras dos Barbosa, o sobrenome teria migrado para a Espanha onde surgiu paralelamente famílias Barbosa espanholas. Quanto ao sobrenome Barboso seria uma variação de Barbosa, talvez uma masculinização do nome. 

FONTE - http://brasaodefamilia.blogspot.com.br

ORIGEM DA FAMÍLIA BARROS



Barros é um sobrenome de origem portuguesa, considerado como sendo um toponímico, pois um barro era uma casa ou habitação de um lavrador; pode também ser derivado de uma alcunha, sendo comparado ao sobrenome Barroso " o que tem barros ou espinhas no rosto ". Existem documentos do século XIII que citam um certo Domicius Cervejo de Barro. A família procede do Solar de Barros, do Concelho de Regalados, provincial portuguesa entre o Douro e o Minho. Essa família Barros procede de Gonçalo Nunes de Barros, senhor de Castrodairo, no tempo de D. João I. O sobrenome Barros começou a ser conhecido em Portugal no tempo do Rei D. Diniz quando teve neste reino muitos Morgados, propriedades, fazendas e terrenos, sendo desta família o grande cronista João de Barros.


Barradas é também um sobrenome de origem portuguesa, classificado como sendo um toponímico, ao que parece, seria uma variação de Barros, Barreiros, derivado de Barreira, "lugar de onde se extrai barro". Provavelmente, o primeiro indivíduo a se destacar com o uso deste sobrenome deveria morar próximo a tal lugar ou trabalhar nele. Outras derivações seriam Barroso, Barro e Barreto, apelido dado aos que trabalhavam com o barro,fazendo vasilhas de ceramic, telhas e tijolos, fosse por profissão, fosse pelas condições de clima e solo na região onde moravam. No Brasil, a família Barros predomina mais no nordeste, no norte e sudeste do lado da América que pertenceu aos portugueses, principalmente em São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, Ceará, Bahia, Piauí, Maranhão e Pará. Os que se misturaram do lado oeste de domínio espanhol variaram seus sobrenomes para Barrios, Barroso, Barradas e Barraus, nomes que aparecem no Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Esses também se dedicaram à agricultura e à criação de caprinos e bovinos em todo o sertão durante toda a colonização. O sobrenome Barros aparece em Pernambuco desde a época das capitanias hereditárias do Ceará, com a de Antonio Cardoso de Barros e a de João de Barros. Outros desse sobrenome Barros vieram com Tomé de Souza e Duarte da Costa com cujas famílias Sousa e Costa se relacionaram. Na microrregião de Salgueiro, principalmente nas cidades de São José do Belmonte e Mirandiba predomina essa família Barros, bem como em Parnamirim, Ouricuri e Bodocó. Da família Barros de Parnamirim que atualmente moram em Itaituba no Pará há Osvaldo Barros, José Rubens Barros e Marinêz Barros, todos casados na família Sá Almeida, filhos de José Conrado Barros (Neci) e Maria de Lurdes Agra Barros (Santa).


ORIGEM DA FAMÍLIA BORGES

 Em 911 d.C. Rollo, "O Viking" (860-932) , também conhecido por "Richard of Normandy" (Ricardo da Dinamarca), um conquistador escandinavo, após conquistar a França e sediado em Paris, criou o título "Duke of Normandy". Quase todos os Reis da Inglaterra possuiam esse título e hoje pertence a Elisabeth II, Rainha da Inglaterra.


1066 foi um ano notável. A Inglaterra teve 3 reis. Edward, "The Confessor", morreu em janeiro de 1066, com 61 anos e não teve filhos. Não havia um herdeiro direto ao trono.


Os 3 maiores pretendentes eram:


Duke William of Normandy (Dinamarca), descedente direto de Rollo, primo de Edward, a quem tinha sido prometido o reino em 1051.


Harold Godvinson,  primo-irmão da esposa de Edward e filho de Earl Godvinson, o nobre mais poderoso da Inglaterra.


Harald Hardrada, viking ruthless, Rei da Dinamarca, impopular, mas poderoso, descendente do Rei Canute da Inglaterra - 1016 a 1032.


Harold controlou o Vitan (Conselho de Líderes Ingleses que validava a coroação) e sustentou a maioria sendo coroado Rei Harold II. Seu reinado não era seguro. Os outros pretendentes estavam furiosos. Harald Hardrada juntou-se com o Earl Tostig, irmão de Harold Godvinson e conquistou a Northumbria (parte norte da Inglaterra)


William invadiu a parte costeira ao Sul.


Harold defendeu o seu reino e concentrou seu ataque aos vikings derrotando uma frota de mais de 300 navios.


Willian também avançou e constroi um forte em Hastings (próximo a Londres). Harold caminha do norte ao sul com suas tropas, fez a proeza de avançar 250 milhas em 9 dias, instala-se no alto do monte Senlac. As duas forças são equivalentes.


Em 14 de outubro de 1066 o rei Harold II morre na célebre batalha de Hastings e é coroado o Rei William " O conquistador". Mandou construir ali uma abadia. Um cidade cresceu ao seu redor, e, atualmente ela pode ser visitada. Nesse período profundas mudanças ocorreram na Inglaterra.


Para defender os territórios construiu castelos e nomeou barões normandos e outros nobres para auxiliá-lo, nascia o feudalismo. Mantinha os barões felizes para tê-los sempre aliados e combatia as repressões. Para manter os exércitos ativos foram criados embates para os cavaleiros. Os homens eram livres mas prestava, serviços aos seus lordes que lhes pagavam alugéis. Houve muita migração de famílias dentro da própria Inglaterra.


A família de BORGES viveu em Sussex, local por onde permaneceram as tropas de William antes de entrar em Londres para ser coroado. Os Borges eram descendentes da linhagem dos Barões BURGHERSH  que também se transformaram em BURWASH, também neste condado.


Uma linha remanesceu na Normandia, como Simon de BORGEIS registro de 1195, mas que era originaria de BOURGEOIS  em Picardy na França. Linha essa que foi extinta em 1369.

FONTE - http://www.cavallaro.com.br

ORIGEM DA FAMÍLIA BORBA



FAMÍLIA BORBA

Esta família tem origem aos redores da Espanha, que por volta de 1.510 passaram a Portugal
e se fixaram em BAEÇA, ainda no tyempo do REI DE PORTUGAL DOM MANUEL I.
Descendentes desta família criaram raízes no local denominado de Borba (PORTUGAL)
onde RUI MARTIN, senhor de grande poder e influência, fidalgo-homem, CAVALEIRO
DE DOM MANUEL II, Rei de Portugal, adotou para si o sobrenome de BORBA do lugar
onde era, e seguiu geração deste nome.

O Sobrenome foi pesquisado junto ao INSTITUTO HERÁLDICO AMERICANO, e no
THE HISTORICAL RESEARCH CENTER.

FONTE - brasaodosborbas.blogspot.com.br

ORIGEM DA FAMÍLIA LEITE


A mais remota pessoa que se tem notícias usando o sobrenome Leite foi Pedro Leite que viveu em 1258 no norte de Portugal. Há notícia também de um Álvares Anes Leite, que viveu na metade do século XV, em Entre Douro e Minho, Portugal, e que se casou com Filipa de Borges. Eles deixaram sucessão, dando continuidade ao sobrenome Leite.
Alguns membros da família Leite vieram de Portugal para o Brasil com a corte de Dom João em 1807, quando este fugia do bloqueio que Napoleão Bonaparte estabeleceu para aquele país ibérico. Na esquadra real, composta de 36 embarcações, vieram cerca de 15 mil pessoas. Consta, ainda, que essa família Leite se fixou no Nordeste brasileiro.

O historiador e pesquisador, de Pesqueira, José de Almeida Maciel afirma: “a tradicional família Leite, de Sanharó ainda hoje ali preponderante, senão pelo poderio ou pela situação econômica ao menos como superioridade numérica na árvore genealógica”
Pelas pesquisas que efetuamos, chegamos à mesma conclusão daquele historiador. Exagero à parte, pode se afirmar, em Sanharó, quem não é Leite tem um parente Leite.
TEXTO - http://encontrosleite.blogspot.com.br/

ORIGEM DA FAMÍLIA LOPES



O sobrenome Lopes ou em espanhol López é de origem ibérica sendo patronímico de nomes derivados da palavra latina lopus, que significa lobo, ou seja, pessoas cujo nome do pai era Lope ou Lopo ganhavam o apelido Lopes, dessa forma Lopes significa o filho do lobo.

Por ser um apelido patronímico muito antigo não existe apenas uma família Lopes, mas várias, originárias em diversos reinos católicos da península ibérica e com diversos brasões, acima alguns brasões da família Lopes portuguesa, destaque ao primeiro em azul, com uma palmeira de ouro e um corvo sobre ela, este teria pertencido ao cavaleiro João Lopes e lhe foi dado pelo rei D. Afonso V em 1476, pelos serviços prestados a coroa na expansão no Norte da África, na conquista de Tanger, Anafé e Arzila, além de ter participado na guerra contra Castela.

TEXTO E PESQUISA -  http://brasaodefamilia.blogspot.com.br

ORIGEM DA FAMÍLIA LESSA

Esta família traz suas origens dos imperadores de Constantinopla.

Em cada pais por onde os Lessa passaram o nome é escrito com grafia diferente, é o que tudo indica !!!

A familia Lessa é uma só, é muito grande, pois é muito antiga.

A dificuldade que se tem de se saber a origem da família Leça ou Lessa, Leca, Lessac e Lessard se dá por se tratar de uma origem muito remota. Tem-se o conhecimento de que ela surgiu no Império de Constantino, na poderosa Constantinopla, atual Stanbul. Os "Lessas" estavam entre a classe dominante desse império com cargos honoríficos e de chefia, por serem pessoas instruídas e distintas. Com mudanças de governo, essa família se espalhou pelo mundo através da Ilha de Córsega (França) para a Espanha, da Espanha passou para Portugal (Principamente,Ilha da Madeira e Porto). Com a mudança da familia Real para o Brasil muitos Lessa vieram para o Brasil.

No Brasil os Lessa estão por todos os estados e em varias Etnias, mais de uma mesma origem, "Familia Lessa".

TEXTO E PESQUISA- portalfamilialessa.blogspot.com

A ORIGEM DA FAMÍLIA SCHUSTER

A ORIGEM DO SOBRENOME SCHUSTER


É um sobrenome de origem saxônica. Os saxões viviam no território que corresponde ao noroeste da Alemanha e ao leste da Holanda, mas não à área que hoje corresponde à da Saxônia. A alcunha de família surgiu na Idade Média, mais precisamente na região da Boêmia. Uma das referências mais antigas é a de Georg Schuster, que tem como registro o ano de 1340.



O SIGNIFICADO


O sobrenome Schuster é de origem ocupacional, derivado da atividade profissional do primeiro portador da linhagem. Schuster significa sapateiro em alemão.



O BRASÃO


O brasão dos Schuster é composto por um escudo de ouro, tendo como peça principal uma bota com espora de prata e três rosas heráldicas no seu interior. O ouro indica nobreza, riqueza, esplendor, glória, poder e força. Indica as virtudes de justiça, clemência e benignidade. A bota com uma espora de prata significa que o cavaleiro deve proceder ponderadamente na sua vida, com sagacidade, precisão e inteligência, e que o cavaleiro deve com o seu exemplo esporear e incitar o povo a viver honestamente e caminhar pela estrada direita dos bons costumes. As três rosas heráldicas que saem do interior da bota é um verdadeiro enigma que podem significar: a beleza, a honra imaculada, a pureza de sentimentos, a nobreza e o mérito reconhecido do homem, que descobriu através da fé que o “Mestre Supremo” sempre esteve e sempre estará no coração daquele que trilha o árduo caminho da verdade. O numero três significa a Santíssima Trindade.

AS ORIGENS


O meu pentavô Adam Schuster, com sua terceira esposa Anna Barbara Müller e seus quatro filhos, Franz Anton, Andreas, Maria Anna e Catharina, partiram da cidade de Dörzbach, mais precisamente da localidade de Laibach da qual ela faz parte, rumo ao porto de Hamburgo, com destino ao Brasil. A cidade situava-se no antigo Reino de Württemberg. Posteriormente, veio a fazer parte do Estado de Baden-Württemberg na Alemanha.
A CIDADE DE DÖRZBACH
O nome de Dörzbach foi mencionado pela primeira vez em 1230, num documentário de caça sob a denominação de Torzebach. Os túmulos e os achados antigos indicam que Dörzbach foi povoada há milênios pelos celtas. São atrações: a capela de St. Wendel em pedra, entre a cidade e o riacho, e, dentre os três castelos existentes nos limites da cidade, o mais famoso é o que pertenceu aos senhores Von Berlichingen que ali chegaram em 1371, o qual foi comprado em 1601 pelos senhores Von Eyb que deu o nome ao castelo há mais de 400 anos. Dörzbach é uma cidade vinícola.
TEXTO E PESQUISA - http://memorialdotempo.blogspot.com.br

JUSTIÇA REVOGA INTERVENÇÃO NA USINA AÇUCAREIRA DO VALE DO CEARÁ-MIRIM



FOTO - FRANCISCO FERREIRA (BARÃO)
 
A Justiça revogou ontem a intervenção na Companhia Açucareira Vale do Ceará-Mirim (antiga Usina São Francisco), que estava em vigor desde 2010. A Usina moveu por décadas a economia no município de Ceará Mirim e há dois anos está desativada. O fim da intervenção não deve, porém, significar uma retomada em curto prazo. A estiagem e a paralisação prolongadas devem dificultar a produção sucroalcooleira, segundo analista do setor. Estimativa extraoficial aponta que possíveis resultados, em termos de produção, só seriam percebidos a partir de 2015.

Pela decisão da juíza da 15ª Vara Cível de Natal, Martha Danyelle Sant’Anna Costa Barbosa, o empresário cearense Manuel Dias Branco Neto, herdeiro do Moinho M. Dias Branco, que comprou a usina em 2009 e foi afastado do negócio em 2010, assumirá o comando. O processo (número 0004299-39.2010) corre em segredo de justiça, entretanto por meio da assessoria de imprensa do TJRN, a magistrada informou    não haver mais eficácia em manter a intervenção e por isso optou pela suspensão.

A decisão marca mais um capítulo na disputa judicial que envolve as empresas   Ecoenergias do Brasil Indústria e Comércio Ltda. e Companhia Açucareira Vale do Ceará Mirim, vendidas pelo ex-senador Geraldo Melo e outros sócios, em 2009. Neto não teria feito os pagamentos acordados no contrato e chegou a ser acusado de desviar R$ 1,8 milhão das contas das empresas, quando já estavam sob intervenção judicial e com a diretoria afastada.

Os advogados Claudia Alvarenga Santos e Pedro Lucas Soares, que representam o atual controlador, alegaram não ter conhecimento da decisão na íntegra, “ainda não publicada”, e que por isso não tinham condições de  informar como seria a reintegração.

Por estar impedido de entrar nas empresas, explicou Lucas Soares, o empresário não teria como prever retomada de produção. Não há informações sobre a situação financeira da empresa e até estar a par da situação não teria como informar. “A situação da empresa é uma incógnita”, disse o advogado. A TN não conseguiu contato com o empresário. Os celulares dele estavam desligados.

De acordo com informações do advogado do ex-senador Geraldo Melo, Fernando Caldas, a dívida chega a R$ 200 milhões e não há previsão de quitação por parte do atual controlador.  Uma das alegações da defesa, explicou   Caldas, é a de ocultação de  patrimônio - a não disponibilidade dos bens impede a execução da dívida. Ainda não estava definido, até o final da tarde de ontem, se os ex-proprietários iriam recorrer da decisão. O prazo para impetrar agravo de instrumento é de até dez dias.

Memória

Em março de 2010, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte nomeou um interventor, Valdécio Vasconcelos Cavalcanti, para administrar as empresas Ecoenergias do Brasil Indústria e Comércio Ltda e Companhia Açucareira Vale do Ceará Mirim. A nomeação do interventor, à época, buscava garantir que o empresário cearense, atual controlador, cumprisse obrigações contratuais que assumiu com os então sócios, quando comprou a parte deles no negócio. 

TEXTO - Sara Vasconcelos - Repórter - TRIBUNA DO NORTE

AULA DE CAMPO - COLÉGIO CDF DE NATAL - RN


CONFIRA COMO FOI A AULA DE CAMPO DO COLÉGIO CDF DE NATAL EM VISITA A CEARÁ-MIRIM, TIVEMOS A OPORTUNIDADES DE VISITAR O CENTRO HISTÓRICO DE CEARÁ-MIRIM E SEUS PRINCIPAIS MONUMENTOS : PALÁCIO ANTUNES, MERCADO PÚBLICO, RUA DA AURORA, IGREJA MATRIZ, PRAÇA BARÃO DE CEARA-MIRIM ENTRE OUTROS. NO ROTEIRO DOS ENGENHOS VISITAMOS A CASA GRANDE DO ENGENHO GUAPORÉ.  AGRADEÇO A TODOS OS ALUNOS, AOS PROFESSORES DA ESCOLA E AO PROFESSOR FLÁVIO DA AGÊNCIA FM TURISMO PEDAGÓGICO.  CONFIRA OS MELHORES MOMENTOS.





BARÃO DE CEARÁ-MIRIM 211 ANOS...

HOMENAGEM AO MESTRE TIÃO 99 ANOS

ACONTECEU NA ULTIMA SEXTA DIA 24 DE MAIO. UMA DAS HOMENAGENS MAIS JUSTAS DESTE MUNICÍPIO PELA PRIMEIRA VEZ A PREFEITURA DE CEARÁ-MIRIM REALIZA UMA HOMENAGEM AO NOSSO MESTRE DE FOLCLORE MAIS ANTIGO DO RN QUE TAMBÉM É PATRIMÔNIO CULTURAL VIVO DO BRASIL.  CONFIRA COMO FOI A HOMENAGEM.


 CORAL MUNICIPAL DE CEARÁ-MIRIM " CANTO DO CANAVIAL"
 CORAL MUNICIPAL DE CEARÁ-MIRIM " CANTO DO CANAVIAL"
 RISONEIDE, MARIA CLAUDIA , BARÃO E SANDRA
 PREFEITO FALA DA IMPORTÂNCIA DO MESTRE TIÃO
 CONGOS DE GUERRA DE TABUÃO
 CONGOS DE GUERRA DE TABUÃO
 PUXADA DE REDE DA CAPOEIRA BOA VONTADE
 PUXADA DE REDE DA CAPOEIRA BOA VONTADE
  CAPOEIRA BOA VONTADE
  CAPOEIRA BOA VONTADE
   CAPOEIRA BOA VONTADE

 MESTRE TIÃO COM O BARÃO

 SECRETÁRIO DE CULTURA NETO COUTINHO, MESTRE TIÃO E O BARÃO

Seguidores